Em Vitória da Conquista, as mulheres contam com um atendimento especializado na Rede Municipal de Saúde, por meio do Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher: Bases de Ação Programática (PAISM), implantado nas unidades de saúde das zonas urbana e rural. O programa do Ministério da Saúde tem ampliado o acesso aos serviços de promoção, prevenção, assistência e recuperação da saúde, com a realização de atividades educativas e assistenciais na atenção clínico-ginecológica.

A iniciativa inclui também atendimento aos portadores de infecção pelo HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis; planejamento familiar para homens e mulheres; acompanhamento à mulher no pré-natal, parto e pós-parto; diagnóstico e tratamento do câncer de colo de útero e de mama; atenção à saúde bucal e imunização.

Além disso, são desenvolvidas outras ações pactuadas com o Programa de Ginecologia para Residência Médica. Entre elas estão o tratamento da dismenorreia; mioma; endometriose; cistos ovarianos; doença inflamatória pélvica; vaginites recorrentes; irregularidade menstrual; amenorreia e síndrome de ovários policísticos. Os atendimentos clínicos acontecem na Policlínica de Atenção Básica São Vicente (CAE II)

Combate ao câncer do colo do útero –Uma das ferramentas para evitar a mortalidade por câncer do colo do útero, segundo mais frequente entre as mulheres de 25 a 64 anos, é o preventivo, realizado em todas as unidades de saúde das zonas urbana e rural do município. Em 2012, 17.780 exames foram executados pelas unidades.

Talita Isaura Araújo., a coordenadora de Saúde da Mulher da Atenção Básica

Rede Cegonha –Outro projeto especial de atenção às gestantes é o Rede Cegonha, do Ministério da Saúde. Por meio dele, hoje, todas as unidades de saúde estão equipadas com detector fetal, que possibilita a escuta dos batimentos cardíacos do feto, auxiliando na detecção prévia de algum problema. “O Ministério também nos contemplou com o teste rápido de gravidez, conhecido pelas mulheres como teste de farmácia. Em breve, todas as unidades de saúde disponibilizará mais esse recurso”, explica a coordenadora de Saúde da Mulher da Atenção Básica, Talita Isaura Araújo.

Em 2012, o programa propiciou a qualificação de profissionais da Atenção Básica na Linha do Cuidado Materno Infantil.