A Secretaria Municipal de Educação (Smed), por meio do Núcleo Pedagógico, realizou nesta quinta-feira (23), o Seminário de Implantação do Projeto Território de Leitura 2024. O evento, em sua terceira edição, ocorreu no auditório do Colégio Estadual Prof.ᵃ Heleusa Câmara e a palestra de abertura apresentou o tema “Como formar leitores na era digital? ”, com o escritor Ilan Brenman.

Ilan explicou que estudos realizados por cientistas apontam que o uso prolongado de telas por crianças e adolescentes tem feito um mal tremendo para a cabeça deles, no sentido cognitivo e na área afetiva. “Claro que não podem ser analfabetos digitais. Tem que saber mexer numa tela de computador ou tablet, mas a questão é o tempo que ficam presos nisso. O substituto é o livro que tem a ver com vínculo afetivo e memória. É um grande aliado para fortalecermos a mente infantil e juvenil”.

Ilan

Para ele, o livro precisa ser bem feito. Pode ter gravuras, desenhos, espaços para colorir, mas o fundamental são boas histórias. “O texto literário precisa ser bom, forte e que dialogue com o coração da criança. Hoje eu mostro a importância que a história tem na vida das crianças, jovens e adultos, procuro sensibilizar mostrando como as histórias fazem parte na vida de cada ser humano”.

A coordenadora Pedagógica para o Norte e Nordeste da Soluções Moderna, Sulamita Pereira, fez uma explanação sobre o Projeto. “Ele traz como proposta principal criar uma cultura de leitores, uma comunidade de leitores, não visa só o trabalho feito dentro da escola, mas também é feito com a comunidade escolar, busca envolver as famílias. Por isso que o nome é território, Território de Leitura, porque toda esta comunidade se torna em leitores ativos juntamente com os estudantes que são os protagonistas neste processo”.

Sobre a parceria com a Prefeitura de Vitória da Conquista, através da Secretaria Municipal de Educação (Smed), ela disse que o município hoje serve de referência. “Ficamos felizes. Estamos aqui todo ano, desde 2022, e a Smed se destaca na execução do projeto. Professores e Smed entenderam e hoje temos Conquista como uma rede nossa, parceira de referência para este projeto Território de Leitura. Quando falamos para novas redes, levamos Conquista como referência e como a implementação fluiu”.

O secretário Municipal de Educação, Edgard Larry, afirmou que o projeto tem alta significação para a rede municipal. “A questão do desenvolvimento da leitura é fundamental para os nossos alunos. Neste ano, com este seminário desenvolvendo um tema bem específico de como formar leitores na era digital, o escritor Ilan, expertise no assunto, traz reflexões e direcionamentos neste sentido”. Edgard ressaltou que a fluência leitora é fundamental para a formação dos nossos alunos e a construção de ideias concatenadas, lógicas. “A rede municipal tem um grande ganho com este projeto”.

Na programação, a pedagoga Kaanne Moreno fez a contação da história “”Que eu vou para Angola”, autoria de Ruth Rocha. O livro faz parte do Projeto Território de Leitura. Ao final da promoção, houve sorteio de kits, brindes, para o público presente.

Território de Leitura – O Território da Leitura, material produzido pela Editora Soluções Moderna, apresenta uma curadoria pautada nos gêneros textuais indicados na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em que a escola tem acesso à área exclusiva do site Território da Leitura e ao aplicativo Contadores de Histórias, além dos kits do aluno e do professor. O kit inclui os livros escolhidos pela Smed e dois diários de percurso de leitura, elaborados por especialistas, para o aluno registrar as experiências de leitura durante o ano e para envolver a família. Além disso, o professor recebe materiais para dinâmicas de leitura que incentivam as atividades lúdicas em sala de aula.

A proposta é criar uma comunidade de leitores, aproximando famílias, ampliando o repertório literário e cultural dos alunos. O material integrante do Projeto é composto por 1 kit para o aluno, contendo quatro exemplares literários e dois diários de percurso de leitura (um diário do contador de histórias e um diário literário da família), sendo que cada ano o estudante recebe obras literárias diferenciadas.