O Governo Municipal recebeu na Prefeitura da Zona Oeste (PZO), nesta sexta-feira (31), moradores das localidades de Olho D’Água, Pedra Branca e Casulo, Zona Rural de Vitória da Conquista, para tratar de demandas de transporte e atendimentos de saúde nas proximidades. Participaram da reunião,Fábio Pereira, Kátia Cilene Araújo, Norleide de Oliveira e Camila de Oliveira.

O primeiro pleito foi sobre a possibilidade de ampliar o acesso do transporte público urbano para essas comunidades, atendidas atualmente pelos permissionários de ônibus e vans. A prefeita Sheila Lemos explicou que, com relação à Zona Rural, é preciso verificar com as empresas vencedoras da licitação se existe viabilidade econômica, já que o contrato prevê o atendimento apenas da zona urbana.

“Vamos solicitar um estudo sobre essa questão, porque vai depender do interesse dessas empresas, já que é custoso colocar ônibus rodando sem uma certa quantidade de usuários diariamente”, disse a gestora municipal, que adicionou: “Iniciamos um projeto de integração do transporte das Zonas Urbana e Rural, de maneira que o usuário só pague uma passagem e possa trafegar também nos ônibus urbanos. Entretanto, os permissionários têm o prazo de dois anos para adaptarem os veículos com acessibilidade, catraca, GPS e outros”.

A prefeita citou os exemplos de Iguá e São Sebastião que, ao receberem o asfalto e apresentarem demanda, passaram a ser atendidos pelo transporte público urbano, após estudo feito pelas concessionárias.

Com relação à demanda de Saúde, foi explicado que o atendimento passou a ser nessas localidades, e não somente na Unidade CAE 2, conforme solicitação dos próprios moradores, em reuniões anteriores. O CAE II continua atendendo, mas a quantidade de vagas diminuiu quando o serviço foi descentralizado. “Iremos provocar uma nova reunião entre a Secretaria Municipal de Saúde e a população, junto com os agentes de saúde, para entender como os moradores estão encarando essa mudança e o que pode ser feito por parte do município. Já solicitamos a ampliação das equipes, mas ainda não foi liberada pelo Ministério da Saúde”, disse a prefeita Sheila.

Para a estudante Camila de Oliveira, de 23 anos, a reunião teve um saldo positivo porque foi possível dialogar sobre as solicitações da comunidade. “Eu achei muito interessante esse encontro, estou com uma boa expectativa e, agora, aguardar as respostas e o que pode ser feito ou não”, disse a moradora do Assentamento Casulo.