Serão investidos R$ 571 mil para implantação do equipamento

Uma alternativa inovadora de geração de trabalho e renda vem ganhando destaque em Vitória da Conquista, graças às ações desenvolvidas pela Prefeitura Municipal em parceria com grupos organizados de empreendedores. Trata-se da Economia Solidária, conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito que seguem os critérios de cooperação, autogestão e solidariedade.

Para fortalecer ainda mais as atividades do setor, Vitória da Conquista receberá um importante equipamento: o Centro de Referência em Economia Solidária (Cresol), que será instalado em conjunto pela Prefeitura Municipal e a Secretaria Nacional de Economia Solidária. No local, será ofertada uma série de serviços do segmento para toda comunidade conquistense. “Nosso município já é referência em economia solidária e a criação do centro vai ampliar ainda mais o apoio aos investimentos do setor. Será um equipamento multifuncional de articulação e fomento aos empreendimentos solidários, oferecendo organização, qualificação, acesso ao microcrédito, assessoria técnica, incentivo à comercialização e às manifestações culturais”, explica o diretor-presidente da Agência Municipal de Desenvolvimento, Trabalho e Renda, Valdemir Dias.

O Cresol será composto por loja solidária, espaços administrativos para os grupos, áreas para formação e inclusão digital, auditório e oficinas de produção destinadas à inclusão produtiva de empreendedores das zonas rural e urbana. Para a instalação do centro serão investidos R$ 571 mil. “Participamos de um processo seletivo nacional e tivemos nossa proposta classificada entre as melhores do país, o que despertou o interesse do Ministério do Trabalho em viabilizar a execução desse programa”, destaca o coordenador municipal de Economia Solidária, Geovane Viana. O centro deve começar a funcionar daqui a quatro meses e ficará localizado no primeiro andar do Mercado do Bairro Brasil.

Ações continuadas– Vitória da Conquista conta com uma rede de serviços que contribui para o crescimento da Economia Solidária, colocando em evidência profissionais que não tinham espaço para produzir e comercializar.

Com 14 grupos vinculados ao Conselho Municipal de Economia Solidária, primeiro do gênero na Bahia, o movimento local reúne mais de mil empreendedores, entre artesãos, prestadores de serviços, profissionais do ramo alimentício, entre outros.

O Governo Municipal conta ainda com uma coordenação para tratar especificamente do segmento, com recursos destinados para comercialização, formação e apoio técnico-administrativo.