Desde o início da semana, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) segue a orientação determinada pelo Ministério da Saúde, por meio da Nota Técnica nº 6/2021-SECOVID/GAB/SECOVID, para realizar a intercambialidade de vacinas contra a Covid-19, em apenas alguns casos específicos, que permite que a pessoa tome a 2ª dose de vacina de fabricante diferente da qual iniciou seu esquema vacinal.

A intercambialidade de vacina só inclui apenas as situações de exceção em que não é possível administrar a segunda dose da vacina com uma vacina do mesmo fabricante, seja por contraindicações ou por ausência daquele imunizante, e só pode ser feita em dois casos: em indivíduos que receberam a primeira dose de uma vacina em outro país e que estarão no Brasil no momento de receber a segunda dose; e mulheres que receberam a 1ª dose da vacina AstraZeneca/Fiocruz e que estejam gestantes ou no puerpério (até 45 dias pós-parto).

De acordo com o Ministério da Saúde, para as gestantes ou puérperas a 2ª dose ofertada deverá ser, preferencialmente, a vacina Pfizer e, caso esse imunizante não esteja disponível no município, poderá completar o esquema de imunização com a vacina Coronavac/Butantan.

As gestantes que tomaram a 1ª dose da vacina Astrazeneca/Oxford, mesmo antes de engravidar e está no prazo para segunda dose, é necessáriopreencher o formulário para conhecimento da população,a fim de planejamento da estratégia de atendimento para vacinação da 2ª dose com a vacina disponível e autorizada pelo Ministério da Saúde.

A segunda dose só será aplicada no intervalo previamente aprazado, respeitando o intervalo adotado para o imunizante utilizado na primeira dose. Aqueles que receberem a 2ª dose no esquema de intercambialidade, serão orientados a respeito das limitações referentes aos dados existentes e do perfil de risco-benefício.

Em casos de dúvidas, entre em contato com o setor de Imunização do município, por meio do telefone 3429-7424.