A Rede Municipal de Educação tem 35 alunos surdos matriculados em 12 escolas do município.

Com o objetivo de desenvolver um acompanhamento e fortalecimento de vínculos profissionais e de promover a educação inclusiva com perfil pedagógico adequado à educação de surdos, a Prefeitura Municipal deu início ao ciclo de oficinas de libras nas escolas municipais. A atividade está sendo desenvolvida pela Central de Interpretação de Libras (CIL), em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

A unidade escolar que recebeu a atividade na última sexta-feira (10) foi a Escola Zulema Cotrim, no Jardim Guanabara, onde estudam nove alunos surdos que contam com dois intérpretes e 1 professor de libras. Todas as escolas municipais que têm alunos surdos receberão a atividade.

“Inicialmente, foi difícil receber na escola alunos surdos, mas com os intérpretes e os professores de libras notamos uma evolução, é fundamental esta presença. Os alunos se sentem acolhidos, se reconhecem, favorece muito, porque muitos deles chegam tímidos e essa convivência vai quebrando a resistência, que muitas vezes já vem com o aluno, por motivos externos”, considera a diretora da escola, Rose Fonseca.

A gerente da CIL, Jaqueline França, explica que na maioria das vezes os alunos surdos não conseguem se comunicar com os outros colegas e que essas oficinas buscam diminuir essa deficiência linguística. “Para que os alunos sintam-se mais sociáveis dentro da sala de aula, achamos interessante levar até eles um professor surdo e um intérprete de libras para ensiná-los a se comunicar com o colega que é surdo. Enquanto isso, ensinamos um pouco aos professores sobre metodologia para surdos, pois é uma dificuldade muito grande encontrar material acessível para ensinar a língua dos surdos”, afirma.