Desde o mês de março, com o advento da pandemia, a Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, criou abrigamentos provisórios para acolher a população em situação de rua com o propósito de amparar e evitar a circulação do coronavírus.

Neste sábado (12), a Secretaria Municipal de Saúde e a equipe do Consultório na Rua promoveram no Abrigo Provisório 4, situado na Escola Municipal Milton de Almeida Santos, uma ação para ofertar diversos serviços de saúde para os abrigados, como: Consultório na Rua, atendimento médico, aferição de pressão arterial, aferição de glicemia, atendimento odontológico (Odontomóvel), orientações sobre saúde bucal, distribuição de kits odontológicos, palestra sobre COVID e outras atividades recreativas.

Segundo o gerente do abrigo provisório, Roberto Paulo, o objetivo dos abrigos, além do amparo, foi o de promover o isolamento social à população mais vulnerável. “Atualmente temos aqui 30 usuários, porém há uma alta rotatividade, sobretudo de pessoas que vem de outras cidades. Fazemos aqui uma triagem e damos essa assistência de acordo com as necessidades”, declara Roberto.

Para o secretário da Semdes, Michael Farias, o momento de pandemia trouxe inúmeros desafios à vida da população de rua. “A Prefeitura tem priorizado meios de proteção da população mais vulnerável, considerando nosso contexto histórico e cultural. A ação de hoje se integra a um conjunto de ações que desenvolvemos como forma de garantir acesso a cidadania e a direitos importantes”, ressalta Michael.

Hoje, a Prefeitura mantém 2 abrigos provisórios que acolhem 35 indivíduos. O AP 2 acolhe indivíduos com suspeita de COVID, para que possam fazer isolamento, e o AP 4, para abrigamento dos demais.