Com o objetivo de estreitar as relações entre as secretarias de Desenvolvimento Social (Semdes), Educação (Smed) e Saúde (SMS) em prol da assistência social, aconteceu nesta quinta-feira (29), o 1º Seminário Intersetorial de Gestão do Cadastro Único e do Programa Bolsa Família, no auditório Lúcia Dórea (Cemae).

Na abertura do evento, houve apresentação musical das bandas de percussão Pracatu e Batuquê, composta por crianças e adolescentes do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Bruno Bacelar e do Conquista Criança. O som dos instrumentos foi coordenado pelo professor Pedro Albert.

No começo deste ano, por meio do Decreto nº 23.079, publicado no Diário Oficial do Município, a Prefeitura de Vitória da Conquista, instituiu o Comitê Gestor Municipal Intersetorial do Programa Bolsa Família, composto por integrantes da Semdes, Smed e SMS. Essa ação visa oportunizar uma integração entre as pastas, para que as famílias em vulnerabilidade social possam ter acesso a direitos básicos, como: saúde, educação e assistência social, além de contribuir para a superação da pobreza.

De acordo com a prefeita Sheila Lemos, é muito importante pautar a integralidade e intersetoriedade entre as diversas secretarias do município, porque o trabalho em conjunto gera benefícios para Vitória da Conquista. Conforme destacou, a ideia de criação do comitê gestor incluiu essas três pastas, que já estão interligadas, porque a saúde, educação e assistência social precisam estar ligadas para gerar bons resultados para a população.

“A criança que está mal alimentada por estar vulnerável social e economicamente não tem como aprender. Gente, é impossível aprender com fome, de barriga vazia. Por isso, a assistência social tem que estar lá, junto dessa família, junto dessa criança. A criança que não tem uma nutrição correta é acometida por doenças patológicas, como desnutrição e obesidade”, disse.

Em sua fala, o secretário da Semdes, Michel Farias, enfatizou o trabalho e investimento da atual gestão na assistência social, bem como os desafios enfrentados por famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica, principalmente no período pandêmico da covid-19. Segundo ele, desde o nascimento do Bolsa Família, o programa precisa ser trabalhado em integração com as principais políticas sociais, que são a saúde, educação e assistência social.

“É muito difícil nós pensarmos em uma solução imediata para fenômenos tão complexos, mas, eu costumo dizer que os fenômenos complexos e as principais demanda de famílias que estão inseridas nesses contextos vão sempre exigir uma resposta integrada entre essas políticas setoriais”, relatou, ao falar sobre a necessidade de os profissionais desses setores estarem trabalhando em conjunto, porque há uma corresponsabilidade para enfrentar essas vulnerabilidades.

Também presente no evento, o secretário da SMS, Vinícius Rodrigues, relatou que não se faz saúde somente com saúde, sendo, portanto, importante relacionar com a educação, assistência social e demais áreas. De acordo com ele, esse seminário foi necessário para demonstrar que o Governo Municipal é um conjunto de secretarias, que devem trabalhar juntas, como uma só estrutura.

Ainda conforme destacou, quando as pessoas não têm acesso à assistência social e à educação, isso também implica na saúde. “As pessoas que não têm uma boa educação não contribuem com a saúde. O momento que a gente vive hoje no país, em relação à dengue, está diretamente relacionado à nossa educação, pois, o mosquito que lhe transmite a dengue, está no seu próprio quintal e não no quintal do vizinho”, enfatizou.

O atendente do Bolsa Família no Cras 6, localizado no bairro Nova Cidade, Lucas Souza, relatou que o Governo para Pessoas está proporcionando uma integração entre três secretarias, gerando resultados satisfatórios. “É bom, porque nós vamos aprender mais, ter um conhecimento mais vasto. Isso traz a benfeitoria para o próprio município”.

Cristiane Gusmão, dentista da Unidade de Saúde da Família do Nova Cidade, também gostou e parabenizou a idealização do I Seminário Intersetorial, porque o programa Bolsa Família está para além da assistência social. “Esses projetos que ficam articulados ao Bolsa Família trazem um ganho, um benefício real na saúde dessas crianças. E, para além disso, a questão da educação, a gente sabe que saúde não se faz apenas com a saúde. Então, de uma forma geral, essa intersetorialidade é de fundamental importância”, disse.

Representando o secretário municipal de Educação, Edgard Larry, a subsecretária Selma Maria de Oliveira enfatizou sobre as crianças e adolescentes estarem estudando regularmente, porque ainda há uma evasão escolar muito significativa, o que ocasiona problemas em diversos setores da sociedade. Ainda segundo ela, a gestão da prefeita Sheila Lemos vem atuando para fortalecer o tripé saúde, educação e assistência social. “A sua gestão, prefeita, tem avançado de uma forma segura e tranquila, principalmente no esforço conjunto dessas três secretarias, que estão com essa assessoria, conduzindo os trabalhos e orientando para que a nossa comunidade seja bem assistida”.

Ao longo do evento, os profissionais presentes assistiram a uma palestra do analista de Políticas Sociais do Governo Federal, Marco Fernandes Maurício, que trouxe o tema “O Programa Bolsa Família (PBF) e a inovação nas Políticas Sociais: panorama sobre o trabalho intersetorial realizado em Vitória da Conquista”.

Sobre essa discussão, o conferencista afirmou que esse programa de transferência de renda significa muito para as políticas públicas, sendo um programa muito inovador. De acordo com ele, que desde 2008 trabalha com assuntos relacionados ao PBF, é perceptível a diferença que esse programa faz na vida das pessoas. “Nesse programa há os conselhos de assistência social, mas sem educação e saúde, a gente não tem um grande efetivo”, disse. Ele ainda destacou que não é fácil trabalhar de forma integrada, mas os problemas da sociedade serão solucionadas com um conjunto de ações intersetoriais.