A prefeita Sheila Lemos passou a tarde desta sexta-feira (10) no Beco de Dôla, no bairro Pedrinhas, onde o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) realizou uma programação com roda de conversa, dinâmica, diálogo sobre demandas das comunidades e apresentações culturais, marcadas por música e samba de roda, em comemoração a Dia Internacional dos Direitos Humanos.

“Muito me honra estar aqui, no Beco de Dôla, carregado de história, construído por uma coletividade. O nosso governo é um Governo para Pessoas, sobretudo para aquelas mais vulneráveis. Por isso, vamos continuar estreitando nossos laços com as comunidades, para que possamos construir políticas públicas em conjunto”, afirmou a prefeita reforçando o compromisso da gestão com a pauta dos direitos humanos.

O secretário municipal de Desenvolvimento Social, Michael Farias, destacou a importância do evento. “O dia de hoje é simbólico porque representa a luta pela garantia dos direitos humanos. E, portanto, fazer um ato público em um lugar que tem grande representatividade na luta contra o racismo e na garantia dos direitos da população negra representa o compromisso do nosso governo na defesa intransigente dos direitos humanos”, disse Michael.

Para a articuladora social do Beco de Dôla, Laiz Gonçalves, o evento foi muito positivo. “Queremos muito, sempre, ter o Cras e a Prefeitura ao nosso lado para correr juntos, porque só com o ‘Quilombeco’ e o Terreiro de Xangô a gente não consegue. Se não tiver ajuda dos demais, a gente não tem como seguir em frente”, disse Laiz, que também agradeceu a parceria constante do Cras com a comunidade.

Também participaram do evento as coordenadoras Dayana Andrade, de Políticas Públicas para Mulheres, Melry Amaral, da Juventude e Olinda Pereira, de Promoção da Igualdade Racial, e o coordenador de Políticas de Promoção da Cidadania e Direitos LGBT, José Mário Barbosa, além dos vereadores Chico Estrella e Xandó.

Beco de Dôla

Localizado no bairro Pedrinhas, o Beco de Dôla está contando com o apoio da Prefeitura para obter o reconhecimento oficial como único quilombo urbano de Vitória da Conquista, o “Quilombeco”. Lá, as crianças e jovens têm acesso a atividades como bate-lata, leitura, jiu-jitsu, capoeira, aula de dança afro e samba de roda. São cerca de 300 pessoas descendentes de Dôla, a matriarca mais velha da família, uma das fundadoras do bairro. Quando se contabilizam os filhos de santos do Terreiro de Xangô, também com origem no Beco, a comunidade chega a mil pessoas.