Foi realizada nesse domingo, 1º de setembro, abertura da Mostra Cinema Conquista – Um olhar para o novo cinema. O evento, que está na sua nona edição, é promovido pela Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista e pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Este ano, a Mostra Conquista Cinema presta uma homenagem ao Art-Cine Madrigal. O espaço, inaugurado em 1968, foi cenário para o lazer e entretenimento de várias gerações ao longo de muitas décadas. Fragmentos da história e da vida de alguns personagens marcantes do lugar foram recuperados.

José de Souza, o Zé Baleiro

Uma dessas pessoas é o Seu José de Souza, mais conhecido como Zé Baleiro. Seu Zé, que vende balas e doces desde os 16 anos, trabalhou durante muito tempo nos cinemas de Conquista, inclusive no Art-Cine Madrigal. Ele falou sobre a emoção de reviver as histórias da sala de cinema. “Estou muito feliz com toda essa movimentação, é como se eu tivesse voltando ao passado”, afirmou.

Edilno Ferreira

Também homenageado, o antigo gerente do Cine Madrigal, Edilno Ferreira Macedo, o Seu Ferreira, agradeceu o reconhecimento. “Sou muito grato a organização da Mostra de Cinema por lembrar esse período em que eu e os colegas nos entregamos de corpo e alma ao cinema. Quero também agradecer ao público que comparecia as sessões e pelo carinho que demonstraram ao Madrigal enquanto eu estive na gestão dele”, salientou.

Raimundo Menezes

Projetista e trabalhando no local desde a fundação, Seu Raimundo Menezes destacou que a história do Cine Madrigal sempre será lembrada. “Eu e os demais colegas de trabalho estamos emocionados. Para esquecer é muito difícil, só quando morrer. Foram 45 anos trabalhando lá, mas desde que o cinema fechou a emoção continua e eu continuo até hoje frequentando o Madrigal, porque tenho as chaves e sou eu quem tomo conta do espaço”, contou.

O secretário municipal de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Gildelson Felício, parabenizou os colaboradores da Mostra Cinema Conquista e destacou o empenho da Administração Municipal, junto aos parceiros, em valorizar e levar a sétima arte aos diversos públicos. “Existem projetos muito importantes a exemplo do Cine-Cidadão, Cinema Seis e Meia e Leitura de Olhos Fechados. Esse último leva filmes às pessoas que não enxergam. Como resultado dessas e de outras iniciativas tem crianças na zona rural produzindo filmes”, disse.

Na primeira noite, a Mostra exibiu o curta-metragem Madrigal de Memórias, de Patrícia Moreira. Em seguida, o público assistiu ao longa Sinais de Cinza. O documentário, do diretor baiano Henrique Dantas, resgata passagens importantes da vida e obra do cineasta Onley São Paulo.