“Alimentação Escolar: muito além do cardápio”. Este é o tema da primeira Formação de Manipuladores de Alimentos da Rede Municipal de Ensino, em 2021, e que teve início nesta quarta-feira (5), em formato online. Mais de 60 profissionais de creches e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) participaram da atividade, que será estendida posteriormente para os manipuladores das áreas rural e urbana.

Ao todo, são 20 horas de aulas, que vão abordar, em quatro módulos, as novas resoluções do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), a necessidade de boas práticas, principalmente, quando houver o retorno das aulas presenciais, e as relações interpessoais. As necessidades alimentares especiais de alguns alunos e o incentivo à educação alimentar e nutricional também serão discutidos.

Todos os módulos, como explicou a equipe de Coordenação Municipal de Alimentação Escolar, responsável pela formação, levaram em consideração os aspectos pedagógicos da Rede Municipal. “Por isso que essa formação é tão importante porque todo o processo de conhecimento envolve o planejar e o fazer pedagógico sobre o que está sendo desenvolvido”, enfatizou o secretário de Educação, Edgard Larry.

Manipuladora de alimentos desde 2008, Magnólia Silva, que atua na Creche Dinaelza Coqueiro, reconheceu a importância das formações e da parceria escola e família e comentou sobre suas expectativas sobre os protocolos a serem adotados quando as aulas presenciais retornarem. “A esterilização, por exemplo, que é um processo primordial durante o preparo dos alimentos, o refeitório”, pontuou.

Antes dos manipuladores, em abril deste ano, diretores escolares também participaram de uma formação sobre o Pnae.