Entre os dias 14 e 16 de abril, o Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), com o apoio da Prefeitura Municipal, por meio do Projeto Conquista de Combate ao Câncer a partir da Atenção Primária, realizará, em Vitória da Conquista, a Oficina de Capacitação de Multiplicadores para a Promoção de Práticas Alimentares Saudáveis e Prevenção de Câncer.

O curso, que acontecerá na Escola de Formação em Saúde da Família, tem como público-alvo os profissionais que atuam nas Unidades de Saúde do Município. O objetivo é capacitar esses profissionais como multiplicadores de conhecimentos sobre alimentação, nutrição, atividade física e prevenção do câncer a fim de incluírem o tema nas atividades de rotina da prática profissional e desenvolverem ações específicas no âmbito da Atenção Básica.

Organizada pela Unidade Técnica de Alimentação, Nutrição e Câncer do INCA e a Secretaria de Saúde de Vitória da Conquista, o curso conta com uma carga horária de 20 horas.

Sobre nutrição e câncer – O câncer compõe o grupo das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) que atualmente são a principal causa de mortes em todo o mundo. As estimativas no Brasil apontam para a ocorrência de 518.510 casos novos de câncer em 2013. No entanto, atualmente tem sido reconhecido também o importante potencial da prevenção para este cenário de saúde pública. Estudos pontuam os fatores ambientais e os modos de vida como principais campos de prevenção da doença. Neste sentido, somente por meio da alimentação, atividade física e peso corporal podem ser prevenidos entre 30 e 40% dos casos.

Apesar dos avanços na área da prevenção de câncer ainda há lacunas entre a evidência e a informação, e entre a informação e seu reconhecimento social. Portanto, desde 2009, a Unidade Técnica de Alimentação, Nutrição e Câncer da Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância do INCA tem desenvolvido as oficinas de capacitação de multiplicadores como forma de ampliar o reconhecimento social da relação entre a alimentação, nutrição, atividade física e o desenvolvimento do câncer, de inserir o tema na agenda da atenção básica em saúde e de promover articulações entre municípios, regionais e setores das Secretarias Estaduais de Saúde.