Reservatório será construído no povoado de Gameleira II, a cerca de 20 km da área urbana do município

“Que vocês possam fazer bom uso dessa barragem!”, exclamou o prefeito Guilherme Menezes no final da tarde desta quarta-feira, 19, após assinar o termo de servidão administrativa na presença de um grupo de moradores do povoado de Gameleira II*. Minutos antes, o prefeito Guilherme anunciara oficialmente a construção de uma barragem de médio porte na localidade. A obra deverá ter início na próxima semana, quando serão feitas as primeiras análises topográficas que indicarão a capacidade de armazenamento de água e a profundidade da perfuração.

Além da assinatura do prefeito, o documento continha as dos proprietários dos terrenos nos quais se situa a área em que será feito o barramento. Eles se comprometeram a reconhecer que a futura barragem poderá ser permanentemente utilizada por todos os moradores, embora vá ser construída em suas propriedades. “A água é para todo mundo, não se pode negá-la a ninguém”, disse, após dar sua assinatura, o agricultor João Cordeiro, dono de um dos terrenos.

O outro proprietário a assinar foi Tertulino Novaes. Sua esposa, Armezina, também demonstrou senso coletivo, em nome do casal. “Graças a Deus, estamos muito felizes”, contou. “Vai ser um projeto muito bom para toda a comunidade”.

“Eles estão demonstrando que têm compromisso com a verdadeira coletividade”, registrou o vereador Coriolano Moraes, um dos intermediários das conversações entre os moradores de Gameleira II e o Governo Municipal, que resultaram na decisão de se construir a barragem.

‘Pontapé inicial’ – “No sertão não há somente falta d’água. Há também a falta de reservatórios para armazená-la”, disse o prefeito Guilherme Menezes, ao explicar os motivos que levaram à construção da futura barragem de Gameleira II – que, por sinal, são os mesmos a justificar as onze construídas ao longo de 2013. O início das obras no povoado marcará o prosseguimento dessa política em 2014. “Este ano, a intenção é fazer várias barragens em toda a zona rural”, informou o secretário municipal de Agricultura, Odir Freire. “Estamos dando o pontapé inicial nesta região, que vemos que é realmente carente de água”.

Situado a cerca de vinte quilômetros da área urbana de Vitória da Conquista, o povoado de Gameleira II se localiza na extensa região de caatinga que margeia o distrito de José Gonçalves. Ali, em meio à alternância entre as poucas chuvas e os períodos de estiagem, os moradores costumam cultivar o que normalmente se encontra em tais ambientes: milho, feijão, palma e o capim necessário para a pastagem dos pequenos rebanhos.

A notícia da construção da barragem animou moradores como o agente comunitário de saúde Claudionor Oliveira, que vive no lugarejo há quase trinta anos. “Creio que, com essa barragem cheia, soluciona-se o problema da falta d’água, principalmente nos períodos de estiagem que temos na caatinga”, avaliou.

Local favorável – Segundo a Secretaria Municipal de Agricultura, o lugar escolhido para a construção do barramento possui características topográficas que favorecem a execução da obra. Por apresentar um acentuado declive, a área se assemelha naturalmente a uma grande “bacia”. Outra razão é o fato de esse declive estar bem ao lado de um trecho de estrada recentemente atingido pela erosão causada por enxurradas, em decorrência das chuvas dos últimos meses – o que impediu ali o tráfego de veículos e levou à interdição do trecho.

Esse local será aterrado, a fim de voltar a permitir o acesso às comunidades de Brenhas, Boa Vista e Francisco das Chagas – e, simultaneamente, ainda será aproveitado como o “paredão” da barragem. Une-se, aí, o útil ao agradável, pois a circulação permanente de veículos sobre o “paredão” poderá auxiliar no processo de compactação do aterramento. “As pessoas vão poder ir a Francisco das Chagas sem precisar dar a volta por fora”, comentou Odir. “Isso é o Governo Municipal sempre preocupado com o homem do campo e realizando cada vez mais ações em todo o município”.

*A visita a Gameleira II teve ainda a participação de outros integrantes do Governo Municipal, como o coordenador do Orçamento Participativo, João Alberto Rodrigues, o coordenador municipal de Infraestrutura, Noeci Salgado, o gerente distrital Giovani Rocha, e ainda moradores e lideranças comunitárias da região de José Gonçalves.