Para celebrar o 19 de maio, Dia Mundial de Doação de Leite Humano, o Banco de Leite Humano (BLH) da Fundação Pública de Saúde (FSVC) promoveu uma programação especial durante todo o mês. O ponto alto aconteceu ontem, no estacionamento do Hospital Esaú Matos. Foram oferecidos momentos de relaxamento com práticas integrativas, distribuição de rosas, entrega de certificado para as mães doadoras, espaço para fotos, muita música, além da distribuição de brindes e lanches.

As doadoras do Banco de Leite foram acolhidas com bastante animação, participando ativamente desse jeito descontraído do BLH agradecer a todas elas. Uma das mães doadoras que prestigiaram a iniciativa foi Hegle de Assis Pereira, mãe da pequena Mariana. Desde janeiro, Hegle é doadora do Banco de Leite Humano. “Eu consigo amamentar a minha filha e ainda consigo doar para ajudar as crianças da UTI e não vai faltar. Quanto mais eu tiro o leite mais eu consigo ter”, explicou Hegle.

A pediatra do Banco de Leite Humano, Dra. Aline Costa Bispo, explicou que o aleitamento materno traz diversos benefícios para o bebê, não apenas nutricionais mas emocionais. Ela aproveitou para destacar, também, os benefícios para as mães: “O aleitamento previne câncer de mama, protege contra câncer de útero, ajuda a não engravidar, ajuda a mulher a ficar em forma, amamentar é bom para o bebê e para a mãe”. Ela explicou, também, que as doações feitas ao BLH ajudam a diminuir o tempo de internamento dos bebês e a evitar a infecção hospitalar.

A doação de leite humano é um gesto simples, mas de extrema importância para as crianças que precisam desse alimento. As doações que o BLH da Fundação Pública de Saúde recebem vão para os bebês prematuros que estão internados na UTI semi-intensiva do Esaú Matos e que, por algum motivo, não podem obter o leite diretamente da mãe. O leite recebido chega a atender 50 crianças todo mês. Só em abril deste ano foram 71 litros coletados e 43 crianças beneficiadas.

Dada a importância disso, a campanha para doação de leite humano precisa ser constante. Muitas mães que estão amamentando e têm excesso de leite acabam jogando fora o alimento que o filho não ingere. Esse excesso pode ser doado para o BLH, ajudando os bebês que necessitam dele. As mães que não podem ir até o local fazer a doação contam com uma equipe especialmente destacada para buscar a doação em casa. Hegle de Assis é um exemplo desse trabalho: “Eu fui no Banco de Leite, recebi as explicações, as instruções, fiz a ficha e os exames. A partir daí, comecei a ser doadora. Duas vezes por semana a equipe passa na minha casa para buscar a doação”.

Dra. Aline aproveita para pedir às mulheres com leite em excesso, que estão saudáveis e que os bebês estão saudáveis, que procure o BLH para se tornar uma doadora. “Podem entrar em contato com o BLH pelo telefone (77) 3420 6237 para obter maiores informações e agendar uma consulta, pelo telefone. O nosso trabalho é ajudar a fazer uma ordenha de forma adequada e higienizada, mantendo a segurança da alimentação do seu bebê e ajudando os bebês da uti neonatal”, explicou.