Antecipando a comemoração dos 100 anos da Semana de Arte Moderna, a Secretaria Municipal de Cultura (Secult) abre, no próximo dia 17, a exposição Arte Conquista, na Casa Memorial Régis Pacheco. Com a proposta de multilinguagem, a mostra reunirá obras de 20 artistas, nas áreas de artes plásticas, fotografia, música, teatro, literatura e dança.

Será uma oportunidade de apreciar, no mesmo local, até 28 de fevereiro, a arte de Allan De Kard, Alex Emmanuel, Alberto David, Ailton Dias, Cassiano Ribeiro, Domício Campos, Edméa de Oliveira, Geraldo Bope, Jeremias Macário, João Marcos Oliveira, JC D’Almeida, Lilian Morais, Liva Andrade (Olivéri0), Marisa Correia, Mida Magnavita, Mozart Tanajura Filho, Orlando Celino, Romeu Ferreira, Rosa Aurich, Sérgio Souto, Silvio Jessé, Tina Rocha, Ualy Matos, Valéria Vidigal e Yamanu.

O objetivo é valorizar as mais variadas artes, remetendo às influências do movimento de 1922, conforme explica o secretário da Secult, Eugênio Avelino (Xangai). “É uma forma de a gente trazer a memória, o significado do que foi a Semana de Arte Moderna de 1922. Aqui, em nossa terra, em Vitória da Conquista, temos um número grande de artistas, e que eles se esforçam para que as obras sejam mostradas”, ressalta Xangai.

Semana de Arte Moderna – Entre 13 e 17 de fevereiro de 1922, o Teatro Municipal de São Paulo foi palco de uma exposição considerada um divisor de águas na cultura brasileira. A Semana de Arte Moderna foi idealizada por artistas e intelectuais que desejavam romper com o conservadorismo vigente à época e buscar a renovação estética da arte. O evento se tornou um marco que revolucionou o cenário cultural brasileiro, dando o pontapé no movimento modernista e influenciando outras correntes artísticas.