O dia 28 de junho é o Dia Internacional do Orgulho Lgbtqi+ (gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e pessoas intersexo), dia de luta por igualdade de direitos, contra a homofobia e a transfobia. Há 50 anos, nos Estados Unidos da América, aconteceu a Rebelião de Stonewall Inn, em Nova York, com uma série de invasões a bares frequentados por homossexuais. A partir deste acontecimento foram organizados vários protestos em favor dos direitos dos homossexuais por várias cidades norte-americanas, que depois se espalhou por todo mundo.

Durante o mês, a Coordenação Políticas de Promoção da Cidadania e Direitos de LGBT, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semdes), realizou várias ações de combate à discriminação de pessoas Lgbtqi+, com a capacitação das equipes das unidades de atendimento da Assistência Social e da Saúde, além de reuniões com representações do movimento.

Segundo o coordenador José Mário Barbosa, é preciso compreender que as diversas formas de preconceito contra a população Lgbtqi+ não ocorrem de maneira isolada das outras formas de discriminação social, ao contrário, elas caminham ao lado e se reforçam pelos preconceitos do machismo, do racismo e da misoginia. “A discriminação e o preconceito também contribuem na exclusão social das populações que vivem a condição do isolamento territorial, como no caso dos que vivem no campo, nos quilombos, nas ruas, é preciso ficar atento a isso também” explicou José Mário.

Para o secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias, essa pauta é uma das prioridades do governo. “A Prefeitura amplifica seu olhar sobre os públicos mais vulnerabilizados e constrói caminhos para que garantam o acesso a direitos de cidadania” destacou Michael.

Como parte da programação, nesta terça-feira (29), será realizado o webinário “Parâmetros para qualificação do atendimento sociassistencial da população Lgbtpqia+ no SUAS”, com o assistente social, ativista Lgbtqi+ e coordenador Estadual da Proteção Social Básica – CPSB/SAS/SJDHDS, Maurício Bodnachuk.