“Aqui temos mais facilidade, não há filas e o atendimento é nota dez”, diz associada

Em 1998, um grupo de servidores da Prefeitura de Vitória da Conquista se reuniu a fim de pôr em prática um sonho: criar uma cooperativa de crédito para atender preferencialmente aos funcionários efetivos e concursados da Administração Municipal. Inicialmente, houve dificuldades.

No entanto, a Prefeitura Municipal dedicou total apoio à iniciativa – o que foi decisivo para o sucesso da inédita empreitada. Através de decreto municipal, a Prefeitura disponibilizou o espaço físico, dois computadores completos e dois servidores, que assumiram a Presidência e a Diretoria Administrativa da cooperativa.

Quinze anos depois, no entanto, os números atestam que a Sicoob Credcoop passou do sonho à realidade: dos trinta associados iniciais, a cooperativa chega agora a 2.440. E, se no início o capital social era de R$ 3 mil, hoje já passou da marca de R$ 4,4 milhões.

Pedro Euvaldo Cairo

Em 2012, a Credcoop chega aos 15 anos consolidada e em crescimento permanente. “A cada dia, sempre temos um novo associado”, orgulha-se o diretor administrativo da cooperativa, Pedro Euvaldo Cairo. O interesse dos associados pela entidade, segundo Cairo, deve-se ao que ele chama de “ambiente familiar”, algo que a diferencia das demais instituições financeiras. “Todos os associados se conhecem. Além de ser uma relação financeira, é uma relação de amizade”, explica.

Facilidade e bom atendimento– Contribuir para o desenvolvimento social de seus associados é um dos lemas permanentes da Credcoop. Um exemplo disso é a professora Maria de Fátima Santos. Ela está em atividade na Rede Municipal de Ensino, e se associou à cooperativa logo após a fundação. Ela mesma explica os motivos que a levaram a aderir à cooperativa: “Aqui temos mais facilidade do que nos outros bancos. Além disso, não há filas. E também porque o atendimento é vip, nota dez”.

Maria de Fátima

Além do atendimento, o que torna a Credcoop uma instituição atrativa para Maria de Fátima é a facilidade para adquirir empréstimos, movimentar cheques e fazer aplicações na caderneta de poupança. A professora teve uma comprovação disso há cerca de quatro anos, quando um de seus filhos decidiu abrir uma casa de materiais para construção. A fim de complementar o capital inicial e viabilizar o negócio, ela tomou um empréstimo na Credcoop.

Graças ao empréstimo, o empreendimento pode ser concretizado e, posteriormente, prosperou. “Deu tão certo que, hoje, meu filho já vendeu o negócio e abriu um mercado em Salvador, em sociedade com o irmão”, comemora a mãe-coruja, que também trouxe para a Credcoop sua mãe, seu filho e as sete irmãs.