Na tarde dessa quinta-feira, 26, os novos conselheiros municipais do Meio Ambiente se reuniram na Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista para conhecer sua estrutura e as ações que são desenvolvidas pelos setores que a compõem. Depois, foi a vez de a equipe conhecer os espaços de responsabilidade da secretaria.

Um dos primeiros lugares foi a Praça da Juventude recém-entregue, na área do bairro Guarani, situada no entorno da Reserva Florestal do Poço Escuro. De lá, a equipe se dirigiu à Lagoa das Bateias, que possui, entre outros, equipamentos para a prática de esportes e o Museu de História Natural, que recebe, mensalmente, uma média de 2 mil visitantes. O secretário de Meio Ambiente, Hudson Castro, falou sobre a importância dessa atividade. “A intenção é fazer com que todos os conselheiros conheçam a estrutura da Secretaria de Meio Ambiente, para que possamos fazer um trabalho de integração e acompanhamento dos projetos e das atividades desenvolvidas em todo o município”, explicou.

Mas a visita não parou por aí, incluiu ainda o Horto Florestal Vilma Dias, onde é desenvolvido um projeto para distribuição de mudas para serem plantadas nas portas das casas dos moradores de diversos bairros da cidade. Até o momento, já foram produzidas 50 mil mudas. Em seguida, foi a vez do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), que desenvolve atividades técnico-científicas de recepção, identificação, tratamento, manutenção e destinação de animais silvestres apreendidos por diversos órgãos de fiscalização, e do Herbário Sertão da Ressaca, cuja principal função é a produção de mudas de árvores nativas, que são utilizadas em áreas degradadas, arborização da cidade e doadas à comunidade. O local conta com aproximadamente 40 espécies de árvores nativas e um estoque de 9 mil mudas.

Leila Costa

A professora de Ecologia na Universidade Federal da Bahia, Leila Costa, que se tornou membro titular do conselho este ano, evidenciou a importância de ter na cidade um instrumento capaz de qualificar a questão ambiental. “Uma cidade do porte de Conquista necessita de um órgão que seja consultivo, deliberativo e normativo, para pensar as questões ambientais do município, porque o meio ambiente é um bem público, e todas as pessoas precisam estar envolvidas”, falou.

Márcia Amorim

Responsável pelo Aterro Sanitário no município, Márcia Amorim, ajudou na criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente e, este ano, voltou a compor a equipe de conselheiros titulares. “Através do conselho, conseguimos alcançar muitos benefícios para a cidade, melhorando de forma significativa a questão ambiental em Vitória da Conquista. Nosso conselho é muito atuante e conta com a participação de profissionais de várias entidades”, disse.

O último espaço a ser visitado pela equipe foi o Módulo de Educação Ambiental, que desenvolve palestras em escolas municipais e estaduais, conscientizando alunos e professores acerca da preservação do meio ambiente. O espaço possui a Sala Verde, uma biblioteca com acervo formado por livros técnicos, literatura infantil, vídeos e outros materiais de pesquisa relacionados às questões ambientais.

Também participaram das atividades, o secretário de Trabalho, Renda e Desenvolvimento Econômico, Eliabe Gouveia, e o vereador Ademir Abreu, bem como membros da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Ações do Conselho Municipal de Meio Ambiente –Atualmente, o maior projeto deliberado pelo conselho foi o de diagnóstico e monitoramento da Lagoa das Bateias, em parceria com o Instituto Federal Tecnológico da Bahia (Ifba). A intenção é monitorar toda a situação da lagoa e do seu entorno, por meio de questionários aplicados com a população sobre o espaço, sua utilização, sugestões para o melhor aproveitamento da área, entre outros. É um projeto amplo, com investimento de mais de R$ 120 mil.