A Secretaria Municipal de Saúde identificou que em muitos frascos da CoronaVac, produzida pela Instituto Butantan, que deveriam conter líquido suficiente para 10 doses, renderam apenas nove, havendo até casos de serem aspiradas somente oito doses por frasco. Problema que também vem acontecendo com outros municípios pelo país.

Essa alteração foi observada em frascos nas oito das remessas recebidas a partir do dia 17 de março de 2021 (Lotes 210117 A, 210119, 210073, 210093, 210054, 210081, 210045 e 210038). Das 31.660 doses da CoronaVac registradas em notas recebidas pelo município nessas remessas, foram aplicadas 28.494 doses, com uma diferença de 3.166 doses a menos.

A Secretaria Municipal de Saúde já notificou a situação dos lotes identificados com alteração ao Ministério da Saúde por meio do Notivisa, um sistema desenvolvido pela Anvisa, e aguarda ainda um retorno. Além disso, solicitou também um posicionamento do Governo do Estado sobre o problema, uma vez que a quantidade registrada nas notas fiscais não condiz com o quantitativo recebido na prática, após a aspiração.

A Secretaria reforça que todos os vacinadores da rede são devidamente treinados para realizarem a vacinação de forma correta, obedecendo às normas e procedimentos orientados pelo Ministério da Saúde, para que não haja prejuízos na vacinação que está em curso.