Só quem precisou ou necessita dos serviços socioassistenciais sabe o real valor de comemorar cada ano de funcionamento do Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Por isso, nesta manhã (21), Rosemare Santos, de 78 anos, cantou e dançou, festejando os 11 anos do Cras Nossa Senhora Aparecida, que tem 3.950 famílias cadastradas.

Violeiro Gerson Silva e grupo Cheia de Charme

Rosemare lembrou que passou a frequentar o Cras assim que foi implantado. “A turma dizia assim: ‘Quando vocês quiserem resolver um problema, resolve lá no Cras’. E a gente não deixa de não ter probleminha pra resolver, né? Quando foi pra aposentar, eu vim aqui, e correu tudo bem, graças a Deus”, comentou a moradora do Nossa Senhora Aparecida.

“Pra mim foi um prazer conhecer o Cras e a equipe. A gente faz essas rosas (painel do Cras 7), canta, dança. A gente faz um bocado de coisa”, disse a idosa que participa do Grupo Intergeracional Cheia de Charme, e junto com o violeiro Gerson Silva, fez uma apresentação essa manhã. Gerson elogiou as ações realizadas no bairro e parabenizou: “Nós estamos repleto de muita paz e de muito amor. Uma grande salva de palmas”.

Rosemare e o painel com rosas confeccionadas por ela

Anunciado como memória viva do Nossa Senhora Aparecida, Irapuã Sampaio falou da transformação que o Cras fez em seu bairro. “O Cras é um termômetro que mede o antes e o depois. O Cras após chegar aqui no Aparecida, modificou muitas coisas. Começou a descobrir talentos, buscar parcerias para que pudesse desenvolver um trabalho inclusivo, diversos serviços, todos os setores funcionam muito bem. Então, invista, porque o Cras dá resultado. E o resultado está aí: inclusão, desenvolvimento, orientação e resgate”, comentou o atual presidente do Conselho Local de Saúde.

A prefeita Sheila Lemos reforçou a importância daquele que é a porta de entrada do Sistema único de Assistência (Suas), o Cras, na vida das pessoas. “Vocês que são usuários é que sabem da importância do Cras no território do Aparecida. É no Cras que vocês têm experiências de conviver em conjunto com outras pessoas, de trabalhar os talentos, então o Cras é de fundamental importância para os territórios da nossa cidade”, afirmou.

21 milhões em assistência social

A gestora também provou em cifras o valor que o Governo Municipal dá as politicas de assistência social. “Nós estamos fazendo investimentos no Cras, na monta, de que a assistência social de Vitória da Conquista tinha um investimento de 3 milhões e saltamos para 21 milhões, justamente por entender que são às famílias, que estão em vulnerabilidade social, que a gente deve dar um tratamento mais do que especial e a porta de entrada para essas famílias são os Cras que nós temos”, declarou.

Ainda durante o evento festivo, o secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias, fez esse paralelo entre as conquistas e os desafios. “Celebrar 11 anos do Cras significa dizer sobre a presença da assistência social impactando positivamente a vida das pessoas deste território do Nossa Senhora Aparecida. Por outro lado, nos coloca um desafio de continuarmos investindo para ampliar a capacidade desse Cras no atendimento às demandas da população”.

Segundo a prefeita e o secretário da pasta, o Centro de Referência ganhará uma nova sede. O terreno foi encontrado, a desafetação foi realizada e a documentação do terreno está em tratativa, assim como a análise do projeto arquitetônico. “O nosso compromisso com o Acolhe Conquista tem elevado cada vez mais o padrão de gestão da assistência social no município de Vitória da Conquista”, finalizou.

No aniversário de 11 anos, ainda teve apresentações de percussão, capoeira e balé desenvolvidas por alunos e professores da Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida. Além das autoridades municipais e dos moradores do próprio bairro onde está localizado o Cras, usuários da Fazenda Paixão, Cedro, povoado do Choça e Lagoa das Flores se fizeram presentes. É que o território do Cras 7 abrange cinco bairros.