A Secretaria Municipal de Educação (Smed), por meio da Central Interpretação de Libras (CIL), realizou uma programação especial com alunos da Escola Municipalizada Carlos Santana (extensão Boock), para comemorar o Dia Mundial da Pessoa com Deficiência. Na ocasião, os estudantes formaram um coral e apresentaram em Libras. O evento também encerrou o Ciclo de Oficina de Interpretação de Libras, que aconteceu a partir de setembro.

A gerente da CIL, Jaqueline França, explica que o ciclo orienta os alunos da Carlos Santana para o acolhimento acessível dos surdos atendidos na Central de Libras. “Trabalhamos, principalmente, sinais de saudação, cumprimento necessário para que eles possam estabelecer uma comunicação, um contato mais humano com os surdos que são atendidos na CIL”, destacou.

Durante a atividade, os alunos puderam se inscrever para participar do coral. “Eu tenho interesse de levar esse projeto mais à frente e ofertar para os alunos das turmas que futuramente vierem a se matricular na escola”, disse Jaqueline.

Convidada pela CIL, a professora surda, Talita Soares, disse que o evento foi uma homenagem especial às pessoas com deficiência, porque mostrou o papel delas na sociedade. Ela também relatou que a parceria com a CIL é importante, porque os alunos podem compreender e refletir sobre o que é ser uma pessoa surda. “Às vezes, vemos as barreiras, então este momento de quebrar isso. Vou estar mostrando aos alunos como é importante a acessibilidade na sociedade”, relatou.

A aluna do 9º ano, Ketelen Moreira da Silva, 15, disse que a proposta da atividade foi muito boa. “Precisamos saber nos comunicar, porque vamos chegar em locais em que há pessoas surdas. Então, é bom termos este conhecimento e aprendizado, para levarmos adiante e podermos manter contato entre as pessoas, inclusive, em eventos escolares, em viagem. Nós podemos encontrar alguém assim, precisando de ajuda, e, se sabermos nos comunicar com a pessoa, nós podemos ajudar”, disse.