Exposição Amanajé

Quem visitou o Memorial Régis Pacheco na noite desta quinta-feira, 08, teve a oportunidade de conhecer um pouco mais da cultura dos ancestrais indígenas que habitaram as nossas terras, com a abertura da exposição Amanajé, do artista plástico Gilvandro Oliveira. Essa é uma das atividades que integram a programação do aniversário da cidade. A exposição reúne peças trabalhadas em terracota e retrata um pouco dos costumes Mongoiós, Aymorés e Pataxós, que viveram na região do Planalto da Conquista.

Gilvandro Oliveira

“Este trabalho é inspirado na minha comunidade de origem, formada por descendentes indígenas. É muito delicado abordar essa história, especialmente no aniversário da cidade. A minha inspiração vem das características e dos costumes que ainda permanecem no local”, explica Gilvandro.

Márcio Júnior

O público que foi conferir a exposição se encantou com o que viu. As obras do artista despertaram a atenção do estudante de História, Márcio Júnior. “Eu já conhecia um pouco do trabalho de Gilvandro e sempre o considerei interessante para a nossa cultura. Inclusive, a Prefeitura tem um trabalho de suma importância para ajudar a divulgar artistas como ele”, afirmou.

Cristiano Ferraz

O diretor do Departamento de História da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Uesb, Cristiano Ferraz, destacou a importância da exposição para a população. “Eu estou achando muito importante esse evento, porque é de um aluno do nosso curso de História que tem uma origem indígena e que faz um trabalho belíssimo, resgatando as suas origens, valorizando os seus antepassados. Isso é algo que fica um pouco esquecido aqui na cidade, pouco se fala nos nossos antepassados. Em uma exposição como essa, no período do aniversário da cidade, nós sentimos que estamos dando valor ao nosso passado”, disse.

Pública prestigia a exposição

A exposição segue aberta à visitação do público até o dia 16 de novembro no Memorial Régis Pacheco, que fica localizado na Praça Tancredo Neves, nº 507, Centro. Não perca!