A Prefeitura de Vitória da Conquista desenvolve uma série de ações e projetos nas mais diversas áreas da cidade e acompanha de perto todas essas iniciativas. Por isso, na manhã desta terça-feira, 30, a equipe da Administração Municipal visitou um importante equipamento de preservação ao meio ambiente: o Parque Municipal da Serra do Periperi.

O parque é uma unidade de conservação, com cerca de 1.300 hectares de área e 15 km de extensão. Criado para atender a necessidade do Governo Participativo em adotar medidas de preservação da Serra do Periperi, de forma a impedir a ocupação desordenada, o desmatamento e a degradação ambiental. O parque abriga também o Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas) e o Herbário Municipal.

O prefeito Guilherme Menezes e o secretário de Meio Ambiente, Hudson catro

Na oportunidade, o prefeito Guilherme Menezes falou da importância da iniciativa. “É um trabalho que nós iniciamos a discussão em 98/99 e em 2000 houve a inauguração desse equipamento que vem crescendo a cada dia. É claro que estamos querendo avançar muito mais do que já foi feito. Queremos expandir ainda mais o espaço de preservação. Inicialmente era uma área de 500 hectares e agora já são mais 1.000 hectares”, afirmou.

Prefeito, secretário e equipe do CETAS

O secretário Municipal de Meio Ambiente, Hudson Castro, falou sobre os projetos que a secretaria vai desenvolver. “Estamos fazendo um levantamento de toda a infraestrutura do meio ambiente e da necessidade de ampliação e de reforma das unidades. Vamos desenvolver projetos que venham realmente proteger a serra e toda essa área, dando mais dinamismo às atividades. O cristo também merece atenção, vamos desenvolver ações de entretenimento e cuidar da área do entorno”, disse.

CETAS – Implantado em 2000, é uma unidade de referência tanto no estado quanto fora dele, em razão da qualidade dos trabalhos prestados para a preservação da biodiversidade. Com sede no Parque Municipal da Serra do Periperi, o Cetas tem por objetivo recepcionar e recuperar animais silvestres apreendidos pela fiscalização ambiental e destiná-los ao seu habitat. Desde a sua criação, o Cetas tem cumprido um papel relevante na preservação e no povoamento da fauna nativa regional e nacional, reduzindo o alto índice de mortalidade de animais durante o tráfico e contribuindo para a construção de uma consciência preservacionista e para o desenvolvimento de estudos e pesquisas de diversas instituições.

Herbário Sertão da Ressaca – Em julho de 2000, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente iniciou o levantamento florístico das espécies ocorrentes na Serra do Periperi. Desde então foi instalada uma oficina de herborização, núcleo embrionário, abrigando hoje o material botânico coletado na Serra do Periperi. Já foram catalogadas 39 famílias distintas e 30 espécies foram reproduzidas no viveiro experimental, sendo plantadas nos locais de ocorrência na Serra. As principais famílias são Myrtaceas, Asteraceae, Fabaceae e Annonaceae, com destaque para espécies endêmicas Melocactus copnoideus (cactaceae) e Diplotropis ferruginea (Fabaceae). O Melocactus conoideus (cabeça-de-frade), uma dessas espécies endêmicas, cujo habitat se restringe à Serra do Periperi, foi descoberto nos anos 70 pelo Holandês Albert Beuning, espécie que corre risco de extinção em virtude da degradação provocada pela mineração. No Herbário, são produzidas as seguintes espécies: Angico Branco, Castanha do Maranhão, Contas-de-Nossa-Senhora, Copaíba, Guapuruvú, Juá-de-Cabra, Maracujá – Açu, Mucunã, Mulungu, Pau-jacaré, Tamboril, Pau-preto, Pixuri e Rabo-de-Tucano, além de produzir mudas para reflorestamento.