Nesta sexta-feira, 29 de janeiro, é celebrado o Dia Nacional da Visibilidade Trans. Nesta data, a Coordenação Municipal de Políticas LGBT reforça a necessidade de conscientização da população para o respeito aos cidadãos transexuais e combate a transfobia.

“No Dia da Visibilidade Trans, a gente quer lembrar que transfobia é crime. O respeito está acima de qualquer opinião, porque somos todos seres humanos, temos vida, família e sonho”,

Este ano, em virtude da pandemia da Covid-19, iniciativas públicas para tratar o tema foram suspensas. “Ainda assim, a data continua sendo um marco como finalidade de chamar atenção para as graves violações dos direitos humanos da população Trans e travestis em todo o Brasil”, destacou a coordenadora municipal de Políticas LGBT, Olinda Pereira.

Mas as ações de fortalecimento e garantias de direito seguem durante todo o ano no Centro Integrados de Direitos Humanos, que, dentre outros serviços, oferece assessorias jurídica e psicológica para aqueles que tiveram seus direitos violados. Desde que foi implantada, a coordenação já retificou nomes de 41 pessoas que fazem parte desse público. “O nosso governo entende que o uso do nome social é um direito que deve ser garantido e respeitado. E a equipe da assistência jurídica trabalha incansavelmente nesse processo para que as pessoas trans possam utilizar um documento oficial com o nome pelo qual se identificam”, reforçou a diretora do Centro Integrado de Direitos Humanos, Roberta Pires Ferreira.