Formada há cerca de 30 anos, a horta comunitária do bairro Jardim Valéria é uma das quatro existentes na área urbana de Vitória da Conquista e que recebem o apoio da Prefeitura, por meio das secretarias de Desenvolvimento Social (Semdes), Meio Ambiente (Semma), Serviços Públicos (Sesep) e Desenvolvimento Rural (SMDR).

A Coordenação Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Cosan) da Semdes é responsável pela regularização das hortas, pelo acompanhamento dos beneficiários junto aos programas e serviços sociais e presta apoio com limpeza, cursos e fornecimento de insumos.

Na semana passada, o secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias, e equipe visitaram a horta, onde trabalham 16 famílias, e conversaram com produtores com o objetivo de obter informações que auxiliem no diagnóstico sobre o funcionamento das hortas.

Segundo Michael, a visita fez parte de uma estratégia de mapeamento das hortas para entender suas fragilidades e tornar o projeto mais proveitoso às famílias participantes. “A partir deste diagnóstico, faremos uma discussão técnica junto à Secretaria de Desenvolvimento Rural, para pensar alternativas de gestão para as hortas, fazendo com que as famílias possam ter apoio técnico e condições melhores para a produção desses alimentos orgânicos.

Uma das pioneiras do projeto no Jardim Valéria, dona Maria Vera da Silva, recorda quando a horta surgiu no bairro. Ela ressalta com orgulho que os alimentos produzidos na horta são cuidados um a um. “Não usamos nenhum tipo de produto, é tudo orgânico. Este espaço foi doado pela Prefeitura e aqui trabalhei e criei filhos e netos. Após a horta, outras coisas foram surgindo no bairro e hoje toda vizinhança tem um grande carinho por ela”, explicou a cozinheira aposentada de 71 anos.

O secretário de desenvolvimento social, Michael Farias e, à sua esquerda, a coordenadora de Segurança Alimentar e Nutricional, Karine Barros

As hortas comunitárias

Presentes nos bairros Jardim Valéria, Kadija, Vila América e Recanto das Águas, as hortas comunitárias possibilitam a melhoria na renda de famílias carentes que têm acesso a terras públicas urbanas para produzir suas hortaliças e ainda contribuem para a garantia de uma alimentação saudável. A proposta é que essas hortas tenham sustentabilidade própria, cabendo à Prefeitura ordenar, orientar e dar apoio a questões que fogem ao alcance dos produtores.

As hortas têm ainda o objetivo de aumentar a oferta de alimentos de elevado poder nutritivo e melhorar as condições de vida de grupos sociais em situação de insegurança alimentar. Seu excedente é comercializado, possibilitando a geração de trabalho, a ampliação de renda e a inclusão social.