Incentivar e apoiar o desenvolvimento do empreendedorismo feminino, especialmente em razão das dificuldades econômicas trazidas pela pandemia, é um dos objetivos da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semdes). Neste sentido foi realizada, na tarde desta quarta-feira (9), no Cras Vila América, a oficina “Empreendedorismo: elas fazem a diferença”, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE).

Cerca de 20 mulheres, entre referenciadas e membros da comunidade, participaram da ação, que faz parte das atividades do Março Mulher.

Uma delas foi Neide Alves Brito, que além de produzir biquínis e saídas de praia, também faz suportes para plantas utilizando cabos de vassoura. Hoje, Neide conheceu a Sala da Mulher Empreendedora, mantida pela SMDE. “Eu sou louca para montar um negocinho em minha casa, mas achava que eu não tinha condições. E agora já tou sabendo. Acho que daqui pra frente foi um empurrão, um divisor de águas”, contou.

Quem também passou a conhecer a Sala da Mulher Empreendedora foi Denise Betânia, que iniciou há pouco tempo uma produção de sabonetes artesanais veganos. “Vou correr pra lá, preciso realmente desse apoio, dessa ajuda. Ainda mais pra gente que é mulher, que é tudo muito difícil”, disse. Mãe solo, ela também falou sobre a importância de ter suporte para alavancar o seu pequeno negócio. “A despesa toda é por minha conta. Tenho dois filhos, sou mulher independente. Então, acho bem interessante esse apoio para a mulher, bem interessante mesmo”, avaliou.

Quem apresentou a Sala da Mulher Empreendedora no evento foi a gestora do órgão, Efigênia Ferreira. “A gente trouxe orientações sobre a formalização da empresária enquanto Microempreendedor Individual, é saber que elas podem ter CNPJ, e assim os benefícios que trazem pra elas. A gente trouxe também a proposta do empoderamento feminino, que a gente acha muito importante. Muitas empreendedoras desenvolvem o trabalho mas não se enxergam como empreendedoras, então precisa ter esse empoderamento feminino para saber que aquilo que elas fazem é importante”, explicou.

Trabalhar o empreendedorismo feminino é uma ferramenta importante para combater a vulnerabilidade entre esse público, diz Camila Aguiar, técnica da Semdes. “Essa renda pode complementar ou muitas vezes sustentar sua família. E a gente sabe que a autonomia financeira é poderosa, porque ela dá à mulher o poder de escolha. Então, através desse fortalecimento, desse empoderamento, a gente tá fazendo as mulheres, muitas vezes, saírem de ciclos de violência, de relações abusivas, porque a autonomia financeira é a mesma coisa de dar poder a essas mulheres”, destacou.