A mãe do cineasta conquistense Glauber Rocha, dona Lúcia Rocha, foi homenageada na noite dessa sexta-feira, 14, Dia Municipal da Cultura, no plenário da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista. A homenagem – promovida pela Prefeitura Municipal, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e pela Câmara de Vereadores – foi marcada pela leitura de cartas, moção de aplauso e exibição de filmes que a uma mulher que dedicou grande parte de sua vida a preservação e a divulgação do legado deixado pelo filho Glauber Rocha, falecido em 1981.

A homenagem a dona Lúcia Rocha é, segundo o secretário municipal de Cultura, Gildelson Felício, que na oportunidade representou o prefeito Guilherme Menezes, é mais que merecida. “A história do cinema brasileiro nunca poderá ser contada sem citar a história dessa mulher que fez a maior obra do cinema, que foi reunir durante 35 anos o acervo de Glauber Rocha. É muito trabalho e dedicação a essa obra que agora está imortalizada. É preciso que as gerações futuras conheçam esse legado”, afirmou o secretário.

Opinião compartilhada pelo diretor do Instituto de Radiodifusão do Estado da Bahia (Irdeb), Pola Ribeiro. “Se Glauber é a explosão, criação, irreverência, o que de melhor e mais especial se tem no cinema brasileiro e na América Latina, Dona Lúcia é essa referência em relação à memória. Se não tivesse tido essa atitude e tratado isso como uma missão de vida, possivelmente essa memória do cineasta não tivesse jamais a possibilidade de ser recuperada”, reiterou.

De acordo com o reitor da Uesb, Paulo Roberto Pinto, o legado de dona Lúcia pode ser um elemento transformador e aglutinador do audiovisual na região. “Isso se tornará possível com a união dos que estão à frente das instituições e organizações que acreditam na cultura, unindo forças na busca pelas totais condições para que isso possa acontecer e atingir milhares de pessoas”, destacou.

Ocasião especial – A data 14 de março foi escolhida para a homenagem a Dona Lúcia Rocha por se referir ao nascimento de Glauber Rocha e ao Dia Municipal da Cultura (Lei nº 1.367/2006). “Não poderíamos escolher melhor dia para homenagear a mãe do cineasta. Esse momento faz-se importante também para que possamos mostrar para Vitória da Conquista a importância dessa data e possibilitar ainda mais o crescimento do legado cultural da família Rocha”, disse o presidente da Câmara de Vereadores, Fernando Vasconcelos.

Paloma Rocha

“Fico muito emocionada porque tive a oportunidade de trabalhar com ela nos últimos 12 anos, no Tempo Glauber, no processo de restauração da obra do meu pai, que ela preservou. Glauber teve a sua genialidade de produzir dez longas metragens, vários curtas e uma produção intelectual de vinte e duas mil páginas com duzentos e vinte e quatro projetos. Ela me passou muita força e a importância de preservar a memória cinematográfica brasileira”, relatou a filha do cineasta e presidente da Associação Amigos do Tempo Glauber, Paloma Rocha.

A solenidade contou com a presença dos vereadores Ricardo Babão e Luciano Gomes e de membros da sociedade civil ligados à sétima arte. Ao final das homenagens, foram exibidos dois filmes, o primeiro, foi o curta-metragem ‘‘Mãe’’, de Fernando Belens e Umbelino Brasil; o segundo; foi o filme “Abry – O filme de Lúcia Rocha”, de Joel Pizzini e Paloma Rocha. Momentos de muita emoção que fecharam a noite deixando um grande sentimento de saudade.

Dona Lúcia Rocha nasceu em Vitória da Conquista, em 16 de janeiro de 1919 e faleceu no início deste ano, no dia 3 de janeiro, no Rio de Janeiro, onde residiu por muitos anos, vítima de um ataque cardíaco.