A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista, por meio do Centro de Referência da Mulher Albertina Vasconcelos (Crav), realizou em 2020 um total de 1.767 atendimentos a 221 mulheres que foram vítimas de violência no município.

Com uma equipe multiprofissional, o serviço oferta atendimento interdisciplinar (psicológico, social, jurídico, de orientação e informação) a mulher em situação de violência, que for encaminhada pela Rede de Atenção e Proteção ou que procurar o serviço de forma espontânea. O objetivo é incentivar a mulher a superação do trauma, reinserção social e apoio jurídico para denúncia de seu agressor.

Em 2020, mesmo com a pandemia COVID-19, o Crav não parou de atender e incluiu em sua oferta o atendimento remoto (internet ou telefone). “Foi um ano desafiador para toda Rede de Proteção à Mulher e com o Crav não foi diferente. O isolamento nos obrigou a reorganizar nosso acolhimento às mulheres que buscaram nosso serviço. Neste período, foram 208 novos acolhimentos, deste total 115 ainda permanecem em atendimento”, explica a coordenadora de Políticas para Mulheres Dayana Evelinne Andrade.

Casa Rosa – Além da manutenção do atendimento do Crav, a Prefeitura iniciou em 2020 a construção da Casa Rosa, a unidade acolhimento institucional abrigará mulheres em situação de risco iminente de morte, construída por meio de convênio com o Governo Federal, no valor de R$ 684.740,00 (seiscentos e oitenta e quatro mil, setecentos e quarenta reais).

“Esse equipamento, que já está com mais de 90% de obra concluída, será um marco no enfrentamento à violência contra as mulheres que passaram a contar com um local seguro para se manterem distantes de seus agressores. É mais um avanço na consolidação e ampliação da Rede Socioassistencial no município”, ressaltou o secretário de Desenvolvimento Social Michael Farias.