A reconstrução está sendo executada dentro do prazo estipulado inicialmente

Já estão em fase final as obras de reconstrução de parte da ponte localizada na Avenida Bartolomeu de Gusmão. Com a construção da galeria já finalizada e em fase de “cura” – período de 20 a 25 dias para que o concreto esteja completamente seco e ofereça a segurança necessária para a continuação da obra –, resta agora concluir os serviços complementares, que envolvem aterro e compactação do solo, terraplanagem e recomposição, além de pavimentação e sinalização do local.

A obra foi necessária em razão dos estragos causados na ponte pelas fortes chuvas de abril. Com o início da obra, foi então estabelecido um prazo. “A previsão era para noventa dias, e conseguimos executá-la dentro do nosso cronograma. Entramos no dia 3 de junho e, no dia 31 de julho, executamos a fase final do bueiro celular”, explicou o engenheiro civil Flávio Albuquerque, responsável pela empresa executora da obra.

Respeito ao prazo – Segundo o engenheiro, a danificação da ponte foi resultado do fluxo excessivo de água recebido pela construção durante o mês de abril.Além das águas correntes do Rio Verruga, ainda houve um grande volume extra, provocado pelas chuvas torrenciais que caíram sobre a cidade naquele mês. “A partir da demolição, houve um prazo para que fosse feito um projeto arquitetônico estrutural. E, dentro desse prazo, já nos mobilizamos para executar essa obra o mais rápido possível”, registrou o engenheiro, que destacou ainda o desvio feito no curso do rio, a fim de possibilitar o trabalho dos operários.

Finalizada a construção do bueiro celular, serão reconstituídos mais 80 metros de piso do interior da galeria, que haviam sido danificados pela chuva. No entanto, nada disso impedirá que o trânsito transcorra normalmente sobre a Avenida Bartolomeu de Gusmão. “É importante destacar que, enquanto estivermos trabalhando por dentro do canal, o fluxo de veículos estará liberado. Isso vai viabilizar o trânsito dentro da cidade”, garantiu Albuquerque.