Contrato com empresas vencedoras da licitação será assinado por volta do dia 15; novo sistema entrará em vigor 90 dias depois

Em Vitória da Conquista, atualmente, há uma frota de 152 ônibus coletivos para atender a uma demanda que, em 2012, chegou a quase 12 milhões de usuários transportados ao longo do ano. A Prefeitura Municipal, entidade que gerencia e fiscaliza o sistema de transporte coletivo urbano, tem se empenhado para que melhorias sejam garantidas a quem utiliza diariamente esse tipo de transporte.

Após a conclusão do processo licitatório, em abril, as duas empresas vencedoras comprometeram-se oficialmente a assumir uma série de compromissos, a fim de que as pessoas possam ter acesso a um serviço mais eficiente . “A Administração Municipal atendeu a todos os prazos determinados e cumpriu todas as etapas legais”, observa o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Luis Alberto Sellmann, ao mencionar o fim da licitação. “Agora, estamos numa nova fase, que é dar outro salto de qualidade no sistema de transporte. Esse é um dos maiores desafios de todos os governos hoje, em nível nacional”, complementa.

O salto de qualidade virá com o novo sistema de transporte coletivo, previsto para entrar em vigor nos próximos meses. O contrato com as empresas concessionárias será assinado a partir de 15 de julho. A contar da data de assinatura, haverá um prazo de noventa dias para que as empresas de fato implantem as melhorias que se comprometeram a executar.

Avanços– Por melhorias, entende-se o aumento no número total de ônibus, que será ampliado para 160. Além disso, as empresas terão de renovar suas frotas, de modo que a média de idade dos veículos baixe e se estabeleça em três a quatro anos de uso. Da composição da frota, 50 veículos serão adaptados a pessoas com deficiência. E, destes 50, 30 deverão, obrigatoriamente, ser veículos zero quilômetro. Ainda segundo a lista de melhorias, 10% dos ônibus terão de ser dotados de um degrau extra na porta de entrada, a fim de facilitar o acesso dos usuários com mobilidade reduzida.

Como outras melhorias, a Prefeitura exigiu que as empresas equipem todos os veículos com câmeras internas de monitoramento, janelas interiores fixas e assentos e encostos acolchoados. Terão, ainda, de dedicar maior atenção à questão ambiental, por meio da implantação de escapamentos verticais com catalisadores nos ônibus, além de promover programas regulares de capacitação e treinamento para os funcionários.

‘Bilhete único’– Dois novos postos de venda de passagens serão implantados na cidade. Conforme o que ficou estabelecido, um será localizado na zona oeste, e o outro na zona leste. Outro procedimento a ser adotado será a possibilidade de o usuário adquirir passagens via internet, valendo-se de seus cartões eletrônicos. Por fim, a grande novidade do novo sistema será a integração tarifária, mas conhecida como “bilhete único”. A ideia consiste na possibilidade, a ser oferecida ao usuário, de fazer mais de uma viagem pagando apenas por uma passagem, dentro de um determinado espaço de tempo – desde que os trajetos sigam o mesmo sentido. Assim que a novidade estiver em funcionamento, isso poderá ser feito em qualquer ponto da cidade.

O “bilhete único” será uma medida posterior: começará a funcionar cerca de sessenta dias após o fim dos noventa iniciais para começar a funcionar. “Esse tempo se justifica para que se possam fazer as adaptações necessárias em todos os sistemas eletrônicos. Assim, será possível começar o novo sistema sem nenhum tipo de problema”, explica Sellmann.

Terminal de ônibus– Também consta dos planos da Prefeitura a reconstrução total do terminal de ônibus localizado na Avenida Lauro de Freitas. A obra, ainda em fase de concepção, deverá ser executada quando o novo sistema de transporte já estiver completamente adotado. A ideia é oferecer à população um terminal mais moderno, que privilegiará, sobretudo, a acessibilidade. Os novos abrigos serão construídos de modo a abranger também os ônibus, e não apenas os passageiros. Haverá um novo módulo administrativo e um conjunto de sanitários. Estima-se que o futuro terminal tenha capacidade para abarcar um movimento 30% maior que o atual.