Na noite desta quarta-feira (15), a Vigilância Sanitária e Ambiental realizou uma força-tarefa para verificar o cumprimento das medidas de prevenção ao coronavírus em academias, bares e restaurantes de Vitória da Conquista.

Após mais de três meses, no último dia 02, os estabelecimentos que fazem parte da terceira fase de reabertura do comércio voltaram a funcionar na cidade. Os agentes da Vigilância fizeram uma inspeção minuciosa nos locais para avaliar, entre outros quesitos, a distância entre usuários, capacidade de lotação e higienização correta dos aparelhos e utensílios.

Presente na ação, o representante do Conselho Nacional de Educação Física, Marcos Estácio, acompanhou os agentes e auxiliou a prestar esclarecimentos aos proprietários sobre a importância de obedecer os protocolos. “Buscamos orientar os donos de academia a adaptar os aparelhos e equipamentos para fornecer a segurança necessária aos usuários”, explica Estácio.

O coordenador da Vigilância Sanitária e Ambiental, Maico Mares, relata que neste primeiro momento, a fiscalização da Vigilância terá um papel educativo. “A partir de hoje a vigilância estará fazendo essas visitas, verificando o cumprimento das medidas pelos estabelecimentos e orientando as mudanças que sejam necessárias. Contudo, estaremos notificando as irregularidades para que tenhamos a garantia de que as adequações serão feitas”, afirma.

A Central de Orientação e Fiscalização da Prefeitura de Vitória da Conquista também já vem realizando esse trabalho com os agentes de Posturas e de Segurança Patrimonial desde a primeira fase da Retomada das Atividades Comerciais,  verificando o cumprimento dos protocolos de segurança.

Atenção à aquisição de produtos de higienização falsificados ou adulterados – A Vigilância Sanitária alerta que os comerciantes devem ficar atentos à qualidade e origem dos produtos de higienização. “Temos verificado, em muitos estabelecimentos, álcool em gel e soluções de hipoclorito de sódio sem o registro da Anvisa. Alertamos às pessoas que em hipótese alguma comprem produtos sem a devida certificação contida no rótulo, sob risco de danos à saúde e outras penalidades”, destaca o coordenador Maico Mares.

Em caso de suspeita de venda de produtos de higienização sem a devida certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a pessoa poderá denunciar através do Whatsapp da própria Vigilância Sanitária e Ambiental do município pelo número: (77) 98809-2911