Em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), tem sido constantes as recomendações para o uso de materiais de proteção, como as máscaras, associado à correta higienização das mãos com sabão e álcool em gel. Tais medidas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), servem como uma barreira eficaz na prevenção do contágio e propagação do vírus quando devidamente utilizadas.

Dessa maneira, tão importante quanto a utilização desses meios de proteção é o descarte de forma adequada do material não-reutilizável, como luvas e máscaras.  A preocupação das autoridades de saúde é a de manter a contaminação fora do alcance dos profissionais de limpeza urbana e também daqueles que manipulam o lixo doméstico, como garis e coletores de reciclagem.

Para o coordenador da vigilância sanitária e ambiental de Vitória da Conquista, Maico Mares, as máscaras devem ser utilizadas até a entrada da residência do usuário, onde deverão ser retiradas da forma correta. “O descarte ideal do material deve ser feito se possível do lado de fora da casa, onde a pessoa deverá retirar cuidadosamente a máscara e colocá-la em um saco específico. É importante entretanto que esta sacola não permaneça avulsa, devendo ser colocada ainda do lado de dentro do saco do lixo orgânico (não reciclável) da casa”, explica.

O coordenador reitera que as máscaras, “se descartadas em local inadequado, podem funcionar como difusores da doença” e ressalta que o descarte desses equipamentos de proteção individual siga os seguintes cuidados:

Descarte normal:

  • Não descartar o material aleatoriamente na rua, em logradouros públicos, ou nos recipientes de coleta urbana;
  • Descarte de luvas e máscaras deve ser realizado na coleta domiciliar regular, separado por um saco específico e colocado no saco de lixo de orgânico e rejeitos não recicláveis;
  • O material não deve ser  separado para coleta seletiva, destinada a recicláveis, nem ser, sob nenhuma hipótese, doado a catadores.

Em residências em que há casos suspeitos ou confirmados de coronavírus:

  • Qualquer resíduo, não apenas luvas e máscaras, deve ser descartados como lixo orgânico;
  • Nesses casos, é preciso usar sacos duplos, fechados com lacre ou nó, com até dois terços de sua capacidade preenchida;
  • Jamais devem ser dispostos na coleta seletiva, pois essa é encaminhada a unidades de triagem para reciclagem;
  • Se o cidadão contaminado ou em suspeita estiver em isolamento em condomínio, a recomendação é avisar o síndico, que deverá orientar funcionário responsável pelo recolhimento de resíduos do condomínio, com objetivo de manuseio mínimo e com a devida proteção.

Neste momento, é muito importante que cada cidadão se conscientize sobre sua responsabilidade coletiva. Cuidar do seu lixo, também é cuidar da saúde de todos.