Por meio do Decreto nº 20.265/20, a Prefeitura de Vitória da Conquista está exigindo o uso de máscaras para a população que frequentar lojas, bancos e estabelecimentos que mantêm o atendimento ao público. A obrigação também é válida para os usuários de transporte coletivo, de táxis ou de veículos por aplicativo. A medida, que teve início nesta quinta-feira (23), é mais decisão do Governo para a prevenção do contágio pelo novo coronavírus.

A médica pneumologista do Centro Municipal de Pneumologia e Dermatologia Sanitária, Vanessa Khouri, explica a importância desse procedimento: “A máscara é uma medida eficaz de proteção, porque barra a disseminação e o contágio do vírus e de outros germes, que a gente acaba também transmitindo por meio das gotículas respiratórias.”

Segundo ela, um paciente infectado que não estiver fazendo o uso de máscaras tem 70% de chances de contaminar uma pessoa que está usando a máscara. Na situação contrária, em que o paciente infectado estiver protegido, mas a pessoa que ele tiver contato não utilizar a máscara, a probabilidade de contágio é de 50%. Porém, se ambos estiverem fazendo o uso da proteção, as chances de contágio caem para menos de 20%.

Nas ruas de Vitória da Conquista, a população demonstrou estar ciente da importância do uso desse equipamento. No centro da cidade, a maioria das pessoas que circulava pelo comércio de produtos essenciais, estabelecimentos bancários ou pontos de ônibus estava vestindo máscaras de proteção.

Uma delas foi o lavrador Djalma Nunes de Oliveira, que precisou ir ao comércio nesta manhã. “Saio de casa e já coloco a máscara. Protege a gente e as outras pessoas. É bom se prevenir”, afirmou.

Por ter consciência da sua importância, o funcionário público Gleiton Mendes faz uso da máscara antes mesmo da sua obrigatoriedade

A auxiliar de serviços gerais Teresa Sousa Gomes é usuária do transporte coletivo municipal. Ela diz se sentir mais segura sabendo que todos no veículo estarão usando máscaras: “Eu acho bom, porque assim evita mais a doença se espalhar.”

Para o funcionário público Gleiton Mendes, a exigência do uso desse equipamento é muito importante. “Pelo tipo de contaminação desse vírus, a gente se proteger com a máscara é um dos métodos de prevenção. E também desde hoje é uma obrigatoriedade, mas já tem semanas que eu faço uso da máscara”, relata.

Tipos de máscara – Segundo a pneumologista Vanessa Khouri, as máscaras de pano devem conter duas camadas de tecido e, preferencialmente, possuir um filtro de TNT entre elas. Esse tipo é indicado para pessoas que não apresentam sintomas de gripe e precisam sair de casa. Ela pode ser usada por duas horas de forma contínua. Para higienizá-la, basta deixá-la imersa em uma solução de água filtrada com duas colheres de água sanitária, e depois, fazer a lavagem com água e sabão.

A pneumologista Vanessa Khouri faz uso de uma máscara do tipo PFF2 ou N95. Na mesa, ela expõe a máscara cirúrgica e a máscara de pano

Já as máscaras cirúrgicas são indicadas para profissionais de saúde ou para pessoas que estão com sintomas de gripe. Elas podem ser utilizadas de quatro a seis horas contínuas, desde que não apresente umidade. Caso esteja umedecida, a máscara perde o seu filtro de proteção e deve ser trocada.

As máscaras do tipo PFF2 ou N95 são de uso exclusivo de profissionais de saúde que terão contato com pacientes confirmados ou suspeitos de infecção pelo coronavírus. Elas não devem ser adquiridas para o uso rotineiro da população.

Todos os tipos de máscara devem ser manuseados apenas pelos elásticos e não devem ser tocadas durante o seu uso.