Governo Municipal e Fundação Esaú Matos participam de reunião com vereadores

Encontro tratou de esclarecimentos sobre o Hospital Municipal Esaú Matos

A fim de esclarecer dúvidas sobre o funcionamento do Hospital Municipal Esaú Matos, representantes do Governo Municipal e da Fundação de Saúde Esaú Matos (FSVC), entidade gestora do equipamento, foram convidados pela Câmara de Vereadores para uma reunião com os representantes do Poder Legislativo. O encontro ocorreu na manhã desta terça-feira, 10.

“Para a sociedade de um modo geral, foi um momento muito oportuno, porque tivemos a oportunidade de esclarecer e trazer à tona algumas questões”, afirmou o padre Edilberto Amorim, diretor-presidente da FSVC.

Regulação – Segundo o líder do Governo Municipal na Câmara, Luciano Gomes, o Legislativo cumpre, assim, seu papel original. “Promovemos esta reunião para esclarecer a verdade para a população”, disse o parlamentar. “O Hospital Esaú Matos não está se furtando à sua responsabilidade. Os gestores das regiões vizinhas também precisam ter a responsabilidade de, quando trouxerem uma gestante para Vitória da Conquista, ela precisa estar na regulação, para que o hospital possa se preparar para recebê-la”.

A equipe do Hospital Municipal Esaú Matos realiza, em média, 350 partos por mês, e, além de Vitória da Conquista, atende a pacientes de 75 municípios que são pactuados. O atendimento é garantido até mesmo nos eventuais casos em que as pacientes se apresentam sem regulação. Como no caso ocorrido na manhã do último domingo, 9, em que uma gestante, vinda de Itambé para ser atendida em Vitória da Conquista, sem regulação, e deu à luz um bebê natimorto, com sinais de maceração e abaulamento. De acordo com o laudo médico, o feto encontrava-se morto há pelo menos um dia.

‘Esclarecimento’ – Para a secretária municipal de Saúde, Márcia Viviane de Araújo, foi “positiva” a reunião com os vereadores. “Creio que o papel do Legislativo é buscar o esclarecimento das situações de todo o município e levar uma satisfação para a comunidade. E nós, do Executivo, também estamos a serviço do interesse público e nos sentimos bem tranquilos neste momento de estarmos aqui esclarecendo os fatos”, afirmou.

A secretária informou, ainda, que o Hospital Municipal Esaú Matos está passando por uma reformulação administrativa, o que não compromete a normalidade do atendimento. “As outras especialidades vêm atendendo normalmente às demandas. Em relação à obstetrícia, estamos fazendo todos os esforços para mantermos o atendimento nas 24 horas, buscando cobrir todas as escalas”, disse.

Notícias Relacionadas

Desenvolvimento Social
18/11
Prefeitura promove 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra mulher
Governo
18/11
7º Seminário ‘Orgulho de Ser LGBT’ inicia com discussão sobre religiosidade de matriz africana
Educação
18/11
Pacto pela Educação: Professores e coordenadores municipais relatam experiências
Notícias
18/11
Hospital Esaú Matos propõe roda de conversa sobre prematuridade