O CAPS AD de Vitória da Conquista está completando 16 anos de existência. Foi no dia 17 de outubro de 2002 que o serviço foi credenciado, mas essa história começou ainda nos anos 90.

O Município de Vitória da Conquista tem a atenção voltada para as questões relacionadas ao uso do álcool e outras drogas desde 1999. No ano seguinte, foi inaugurado o Centro de Estudos e Atenção às Dependências Químicas (CEAD), em parceria com a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). O mesmo foi credenciado em 2002, no dia 17 de outubro, como Centro de Atenção Psicossocial em Álcool e outras Drogas (CAPS AD) II, um serviço substitutivo às políticas anteriores em saúde mental especificamente voltado para atenção ao usuário de crack, álcool e outras drogas.

Em 2015 o serviço foi requalificado como CAPS AD III e passou a oferecer, também, o acolhimento intensivo por até 14 dias, com uma estrutura de doze leitos de hospitalidade e suporte da equipe de saúde 24 horas por dia, incluindo finais de semana e feriados.

O CAPS AD de Vitória da Conquista é regido pelas diretrizes do Ministério da Saúde, oferecendo atendimento diário a pacientes que fazem um uso prejudicial de álcool e outras drogas, permitindo o planejamento terapêutico dentro de uma perspectiva individualizada de evolução contínua. Ele desenvolve diversas atividades a fim de promover a integração do usuário de substâncias psicoativas (SPA) na comunidade e sua inserção familiar e social, para tanto, conta com uma equipe multidisciplinar composta por: assistente social, enfermeiro, médico clínico geral, psicólogo, psiquiatra, pedagoga, profissional de educação física, técnicos de enfermagem e técnicos administrativos.

Durante esses 16 anos quase 7 mil pessoas já passaram pelo CAPS AD. Nesse tempo, muitas histórias de sucesso foram vividas. “Ver pessoas retomando sua autonomia, seu cuidado pessoal, refazendo vínculos rompidos e superando a dependência, tentando quantas vezes for preciso, essa é nossa maior motivação e alegria em trabalhar com esse público sempre em movimento”, afirma a psicóloga Thamara Cafezeiro.

Como trabalha o CAPS AD III – A equipe multiprofissional desenvolve atendimentos individualizados e grupais. São realizadas, ainda, visitas domiciliares, atividades extramuros, capacitações, palestras, além das atividades comunitárias de prevenção e cuidado à família. O cuidado busca ser mais territorializado por meio da organização dos profissionais em mini-equipes que são referência para cada caso de acordo com o seu território de existência.

O papel da equipe técnica é fundamental para a organização, desenvolvimento e manutenção do ambiente terapêutico. A duração da permanência dos usuários em tratamento no CAPS AD III depende de muitas variáveis, desde o comprometimento do usuário até o projeto terapêutico traçado, e a rede de apoio familiar e social que se pode estabelecer.

Dentre as atividades terapêuticas desenvolvidas, destacam-se: a Oficina de Artes, espaço onde usuários aprendem novas habilidades e revelam dons, passando assim a uma oportunidade de geração de trabalho e renda; e o Sarau, que se consolida há quase 2 anos num espaço potente para a produção do conhecimento por meio da poesia, arte, associação livre, liberdade de expressão e a construção positiva do seu empoderamento.